Primeiras impressões: Volvo V40

Montadora diz que este é carro mais tecnológico que já fez.
Airbag de pedestre é destaque, mas custa R$ 15 mil a mais.

Luciana de OliveiraDo G1, em Vitória

19 comentários

É tudo muito rápido: ouve-se um estampido e, de repente, lá está o para-brisa com um acolchoado branco. O airbag para pedestres, que se abre sobre o capô, é exclusividade do hatch Volvo V40, que acaba de chegar ao Brasil. O modelo foi apresentado à imprensa na última quarta-feira (5), em Vitória, com direito à abertura – que não estava no programa – do dispositivo.

O carro é equipado com um sistema que consegue distinguir em instantes entre uma pessoa e outros objetos ou obstáculos na via. Na iminência de uma colisão, ele avalia se o motorista está no controle (sinais disso são movimentos mais constantes no volante, pé no acelerador ou no freio) e poderá ajudar na frenagem ou até parar o carro, que era o que a montadora pretendia demonstrar aos jornalistas. Porém, isso depende da velocidade. No caso, houve a frenagem, mas não foi possível evitar a batida contra uma barreira que o sistema “leu” como sendo um pedestre.

Volvo V40 (Foto: Luciana de Oliveira/G1)

Airbag acionado durante apresentação em
Vitória (Foto: Luciana de Oliveira/G1)

O computador partiu, então, para a ação prevista em caso de impacto de pedestre com a frente do veículo, entre 20 km/h e 50 km/h: acionou o airbag, que saiu do capô em uma fração de segundos, estendendo-se sobre o para-brisa. O objetivo é evitar que o atropelado bata a cabeça contra o vidro. Além disso, o capô se deforma levemente, também para amenizar o impacto.

Com o dispositivo inédito, o V40 custará R$ 130.950 mil, R$ 15 mil a mais do que a versão “básica”. Até a publicação desta reportagem, a Volvo ainda não havia informado quanto custa reparar o airbag e o capô no caso –raro- de acionamento. Diz-se raro porque, junto com a proteção para o pedestre, o pacote chamado Safety traz uma série de outros sistemas para alertar o motorista e evitar a colisão.

Concorrentes Volvo V40 (Foto: Editoria de Arte/G1)

A Volvo resume o V40 como o carro mais tecnológico que já fez. É muita ajuda: no carro com o pacote de segurança há também detecção de ponto cego (para quando for sair com o carro de uma vaga, por exemplo, e não puder enxergar o movimento na via porque um veículo maior está parado do seu lado), piloto automático adaptativo (que permite definir uma distância de frenagem em caso de aproximação do carro da frente, de até 5 segundos), leitura de placas de sinalização (replica a placa no painel e avisa se o motorista ultrapassá-la), assistente de mudança de faixa (que não só alerta para mudanças “suspeitas”, que possam indicar distração ou sonolência, como também corrige levemente a trajetória, nas retas) e alerta de tráfego lateral.

De série, há o alerta de colisão, que pode frear o carro se ele se aproximar demais de um veículo à frente (chamado City Safe pela marca).

Volvo V40 é quipado ainda com sistema que faz o carro estacionar sozinho em vagas paralelas (Foto: Divulgação)Controles de sistemas se concentram na parte
inferior do painel central (Foto: Divulgação)

Ao volante
G1 experimentou a versão mais completa do hatch premium (que custa R$ 152.950) por um trajeto de cerca de 200 km entre Vitória e Domingos Martins (ES). No primeiro trecho, urbano, com todos os sistemas de segurança ligados, era um tal de apito para lá e para cá –aviso de proximidade com o carro da frente, de motos passando perto nas laterais… E olha que o trânsito não era dos mais ferozes (dava pra imaginar como seria esse tanto de aviso sonoro em avenidas movimentadas e cheias de motos, como a Rebouças, em São Paulo).

Mas a Volvo avisou que dá para desligar tudo –até o controle de tração, se o usuário quiser. Só que ainda era o caso de testar o tal piloto automático adaptativo, que memoriza a velocidade de cruzeiro e a distância de frenagem para o carro da frente escolhidas pelo motorista –continua tudo registrado mesmo com breves paradas em semáforos, por exemplo; é só apertar uma tecla na alavanca da seta.

Volvo V40 é produzido em Ghent, na Bélgica. (Foto: Divulgação)Painel é totalmente digital (Foto: Divulgação)

O que sobra e o que falta
Os controles para todos esses sistemas estão distribuídos de forma harmônica e bem ao alcance do motorista. Parte deles, como o piloto automático, no volante, e os demais em teclas reunidas na parte inferior do painel central.

Porém, leva um tempo para aprender tudo. Tem ainda a opção de personalizar o painel de instrumentos e colher dados diferentes, ora sobre condução que economiza combustível ora sobre como ter o melhor desempenho no modo esportivo.

Por incrível que pareça, falta um dispositivo nada revolucionário: as borboletas (paddle shifters) para trocar marchas ao volante. O câmbio automático de seis velocidades só permite as trocas na alavanca, com manopla de visual modernoso (ela é transparente).

Volvo V40 (Foto: Luciana de Oliveira/G1)Teto solar abre de trás para frente
(Foto: Luciana de Oliveira/G1)

Dois detalhes se destacam no interior do V40: o painel de instrumentos totalmente digital e o teto solar “democrático”, que abre de trás para frente: o vidro pode ficar exposto só para quem estiver no assento traseiro.

Aliás, pelo tamanho, esse item opcional, que também faz parte de outro pacote, o Sport (R$ 12 mil), é mais útil aos passageiros de trás –sem ele, seria um confinamento viajar de carona, devido à cintura alta que estreita as janelas laterais do hatch.

A visibilidade traseira não é das melhores, mas os encostos de cabeça do banco de trás podem ser rebaixados, o que ajuda.

Estabilidade e solavancos
O segundo trecho do test-drive, de serra, bastante sinuoso, permite mudar um pouco de assunto: é hora de falar do motor 2.0 turbo de cinco cilindros em linha que entrega 180 cavalos a 5.000 rpm e 30,6 kgfm de torque, disponível já a partir de 2.700 rpm.

Volvo V40 (Foto: Divulgação)Suspensão é acertada, mas transfere alguns
solavancos para a cabine (Foto: Divulgação)

Com “voz” rouca, o bloco responde logo à primeira pisada e o que se segue são ultrapassagens tranquilas e o hatch bem estável nas curvas. Os sensores já não são tão exigidos (entenda-se: apitam bem menos) quanto na cidade, mas outros sistemas de segurança, como controle de tração e de estabilidade estão lá se precisar de mais uma ajudinha.

A suspensão é acertada, mas, principalmente na versão com o pacote Sport, em que as rodas são de 18 polegadas (sem ele, são de 17’), repassa os solavancos aos passageiros. Não chega a ser nenhuma tortura: os bancos do hatch são confortáveis, com boa ergonomia. Porém os carros usados em Vitória tinham ajuste manual até para o assento do motorista. A Volvo se antecipou, dizendo que os V40 testados eram carros de pré-série, e que os que estarão à venda terão ajuste elétrico para o condutor –o carona fica com a alavanca e a rodinha mesmo.

Volvo V40 (Foto: Luciana de Oliveira/G1)Visual moderno para manopla do cambio
do V40 (Foto: Luciana de Oliveira/G1)

Ele e os outros
O V40 chega em um momento curioso do setor de luxo no país. Mercedes-Benz e BMW renovaram seus carros de entrada e nem o Classe A, embalado até por funk (em propaganda na internet), nem o Série 1 passam desse valor nas versões mais básicas.

Outro concorrente, o Audi A3 Sportback (quatro portas), chega ainda este ano, sem preço anunciado –mas os R$ 115 mil do Sport (duas portas) dão pista de que ele ficará mais alinhado com o preço do Volvo.

A montadora sueca, no entanto, diz que não vai entrar na onda da “popularização” do luxo. “O cliente verdadeiramente premium vai escolher o Volvo”, diz o presidente da marca no Brasil, Paulo Solti. “O custo [de produção do carro] é o mesmo para todo mundo, não tem jeito. Eles optam por tirar equipamentos e baixar o preço. Veja o carro de R$ 99 mil: para colocar todos os equipamentos [que o V40 tem] se gasta mais do que no Volvo.”

São de série ar-condicionado digital, direção elétrica, sistema de áudio, conexão Bluetooth para iPod, tela de 7 polegadas, bancos e volante em couro, sensor de estacionamento, de chuva e crepuscular (que aciona os faróis), piloto automático (controle de cruzeiro), partida sem chave e rodas de liga-leve de 17 polegadas, alerta de colisão, 7 airbags (frontais, laterais, de cortina e de joelho para o motorista), freios ABS e controle de estabilidade e tração.

A fabricante não visa  quantidade: a meta de vendas para o segundo semestre do V40 é de 700 unidades. Não foi dito quantas delas terão o airbag para pedestres: o mix de vendas será avaliado mês a mês. Provavelmente bem poucos clientes investirão no dispositivo –mas ele já colocou a Volvo na história.

Volvo V40 (Foto: Divulgação)Volvo pretende vender 700 unidades do hatch até o segundo semestre (Foto: Divulgação)
Anúncios