08/10/2013 12h00 – Atualizado em 08/10/2013 19h41

Sucesso do passado, Honda CB 500 volta com nova geração ao Brasil

CB 500F, CBR 500R e CB 500X são opções de entrada para alta cilindrada.
Primeira a chegar, CB 500F vai de R$ 22 mil e a R$ 23,5 mil (com ABS).

Rafael MiottoDo G1, em São Paulo

228 comentários

Utilizando nome que fez sucesso no Brasil, a Honda lançou nesta terça-feira (8) a nova geração da CB 500 no país, em três versões. Assista ao lado a um vídeo exclusivo do G1 com os detalhes da “família” 500.

Com a estreia mundial no Salão de Milão 2012, CB 500F, CBR 500R e CB 500X, todas com ABS como opcional, são as principais atrações da empresa no Salão duas Rodas, no Anhembi, em São Paulo, que vai até o próximo domingo (13).

A primeira a chegar é a opção F, por R$ 22.000, na opção standard, e R$ 23.500, com ABS, que mantém a categoria naked e tem mais similaridade com a CB 500 vendida entre 1997 e 2004 no Brasil. No entanto, a moto é totalmente nova e abandonou o antigo farol redondo presenta na antiga CB.

Além disso, a CB 500 se tornou uma “família” e agora também conta com a esportiva CBR 500R, que começa a ser vendida até o final do ano, a CB 500X, versão com roupagem aventureira – suas vendas ficam apara o início de 2013. Ambas ainda não tiveram preços definidos.

Honda CB 500X (Foto: Caio Mattos / Divulgação)Honda CB 500X (Foto: Caio Mattos / Divulgação)

Com os três modelos, a Honda tem o objetivo de vender 20 mil unidades da CB 500 durante o 1º ano de comercialização da linha. A X é que traz mais expectativa para a empresa e deve representar 8 mil unidades/ano, enquanto F e R devem atingir 6.000 motos cada. Até 2016, a empresa pretende atingir 30 mil unidades/ano da linha.

Feita na Tailândia para abastecer o mundo, a CB 500 brasileira será produzida em Manaus, com a fabricação nacional de componentes como chassi e componentes plásticos, mas parte das peças ainda é importada da própria Tailândia e Japão – o motor chega com as peças desmontadas para ser montado no Brasil.

O modelo chega para preencher uma faixa de cilindrada abandonada no país desde o encerramento de produção da própria CB 500 e a Suzuki GS 500. “Desde 2005, o mercado se mostrou carente para este tipo de moto. Nosso objetivo é que a CB seja líder entre as naked”, explica Alfredo Guedes, supervisor de relações públicas da empresa.

Na época, a CB 500 deixou de ser vendida e a Honda lançou a Hornet no Brasil, modelo que se tornou líder do segmento, mas com uma proposta mais esportiva, com motor de quatro cilindros.

No Brasil, motor é mais forte
O lançamento mundial da família CB 500 teve o foco muito claro de atender novo sistema de habilitação para condutores na Europa, que criou nova categoria para motos a A2. Limitada a motos de até 35 kw de potência (48 cv) e que pode ser obtida a partir dos 18 anos, a iniciativa gerou a criação das novas 500 por parte da Honda.

Honda CB 500F (Foto: Caio Mattos / Divulgação)Honda CB 500F (Foto: Caio Mattos / Divulgação)

Como o Brasil não tem esta legislação, o país terá uma CB 500 mais forte. Aqui, o motor de dois cilindros e 471 cc de cilindrada gera 50,4 cavalos a 8.500 rpm, frente aos 48 cv na Europa. O torque também recebeu leve incremento, subindo de 4,38 kgfm a 4,55 kgfm a 7.000 rpm na versão brasileira.

“O motor segue a mesma base do da CBR 250R, mas com dois cilindros”, explica Alfredo Guedes. Desse modo, o propulsor é como um da CBR, mas duplicado, já que a pequena esportiva possui um monocilíndrico. O bicilíndrico conta com injeção eletrônica e refrigeração líquida.

Configuração moderna e simples
Com a ambição do modelo é de ser a porta de entrada para as motos mais potentes, seu conjunto é simples, mas traz alguns diferenciais, como o visual esportivo e painel digital.

A presença do freio ABS, como opcional, também é importante, porém, a empresa deixou de lado o sistema combinado, que reparte a frenagem entre os eixos, presente em outras motos da empresa, até de menor cilindrada, como a CBR 250R.

Painel da CB 500F  (Foto: Caio Mattos / Divulgação)Painel da CB 500F (Foto: Caio Mattos / Divulgação)

As três versões compartilham grande parte da base, mas trazem diferenças. A X tem suspensões mais longas e guidão mais alto, adequados a sua proposta “crossover”, enquanto a R possui semiguidões e carenagens, de acordo com suas pretensões esportivas.

O peso seco da F é de 180 kg e o tanque de combustível 15,7 litros, que roda com gasolina. Na dianteira, a CB 500F possui um garfo telescópico de 120 mm de curso, enquanto a traseira é monoamortecida por um sistema pró-link de 118 mm.

Com assento de 785 mm, a F tem 2.075 mm de comprimento, 780 mm de altura e 1.060 mm de altura – seu entre-eixos é de 1.410 mm. A 500R pesa 194 kg e a X 195 kg. O tanque de 15,7 litros é o mesmo para a CB 500F e CBR 500R. Na 500X, há mais espaço, chegando a 17,3 litros.

De acordo com a empresa, a autonomia da F pode chegar a 420 km, ao passo que a X tem condições de rodar 467 km com o tanque completo. Assim, indicando que o modelo pode ter média de consumo de 26,8 km/l a 27 km/l.

Honda CB 500F (Foto: Caio Mattos / Divulgação)Honda CB 500F (Foto: Caio Mattos / Divulgação)

História
Vendida de 1997 a 2004 no Brasil, a antiga geração da Honda CB 500 atingiu 21 unidades vendidas no país. Sua produção foi feita em Manaus e o modelo fez muito sucesso com seu motor de dois cilindros e 498,8 cc de cilindrada, que chegava a 54 cv a 9.500 rpm.

Com dois carburadores e refrigeração a ar, o modelo também tinha outras diferenças em relação ao novo modelo, como a suspensão traseira como duplo amortecedor. Os números mostram que a CB antiga era mais potente que a atual e o torque de ambas é o mesmo. No entanto, o novo modelo mostra a força máxima em giros mais baixos.

Compare a CB 500 da antiga geração com a nova:

9/10/2013 13h36 – Atualizado em 30/10/2013 10h38

Moto mais cara do Brasil, Ducati de 200 cv tem 12 pedidos no país

Superleggera custa R$ 280 mil e é restrita a 500 unidades mundialmente.
Marca ainda avalia vendas e vai dar preferência a colecionadores.

 

Do G1, em São Paulo

 
76 comentários
Ducati 1199 Superleggera (Foto: Divulgação)

 

Ducati 1199 Superleggera (Foto: Divulgação)

Apresentada mundialmente na semana passada, a Ducati 1199 Superleggera já tem 12 intenções de compra feitas no Brasil, informou a empresa italiana ao G1 nesta terça-feira (29). Restrita a 500 unidades mundialmente, o modelo custa R$ 280 mil e é a moto mais cara do Brasil. No entanto, a fabricante ainda avalia a conclusão dos negócios com cada comprador e não há prazo para a conclusão.

Por se tratar de um modelo exclusivo, a Ducati vai dar preferência a colecionadores e proprietários da marca. As entregas das unidades para o Brasil, ainda sem quantidade definida, serão entre março e junho de 2014. Na Itália, onde ocorre sua fabricação, a esportiva custa 66 mil euros e a primeira apresentação para o público está programada para o Salão de Milão, em novembro.

Utilizando elementos leves como titânio, fibra de carbono e magnésio em sua construção, a Superleggera tem motor bicilíndrico que atinge 200 cv e pode ultrapassar esta potência, em mais 5 cv, com kit desenvolvido apenas para uso em circuito. Com apenas 155 kg a seco, os números fazem da Superleggera ter melhor peso-potência de uma moto já fabricada em série, afirmou a empresa italiana.

Ducati 1199 Superleggera (Foto: Divulgação)Ducati 1199 Superleggera (Foto: Divulgação)

Cada modelo terá um número individual de inscrição e entre os elementos que a levaram a ter o nome de Superleggera, que significa superleve, em italiano, estão chassi e rodas de magnésio. A fabricante utilizou como base a já radical 1199 Panigale R e empregou tecnologias utilizadas em competições, como o Mundial de Superbike.

Entre os sistemas de última geração da moto, estão dispositivos para gerenciar “wheelie”, evitando que a roda dianteira saia do chão perigosamente, controle de tração, controle de freio motor. De acordo com a marca, estes sistemas podem ser controlados por meio de botões no guidão, proporcionando ajustes rápidos.

Motor Superquadro
Chamado de Superquadro pela Ducati, com disposição dos pistões em “L”, que lembra parte de um quadrado, o propulsor segue a base do da 1199 Panigale, com dois cilindros e 1198 cc. No entanto, a empresa conseguiu otimizar ainda mais o seu funcionamento, passando de 195 cv, na Panigale, para 200 cv, ou ainda mais, na Superleggera. A potência máxima é atingida a 11.500 rpm, enquanto o torque, de 13,7 kgfm, atinge seu nível máximo a 10.200 rpm – na Panigale, o torque máximo é de 13,5 kgfm.

Ducati 1199 Superleggera (Foto: Divulgação)Ducati 1199 Superleggera (Foto: Divulgação)

Para ficar ainda mais forte, o Superquadro recebeu válvulas de escape de titânio e pistões especiais de dois anéis – utilizados pela primeira vez em uma moto de linha. De acordo com a marca, isto permitiu redução de massa e atrito.

O chassi de magnésio, e segue do tipo monocoque, no qual o motor faz parte de sua estrutura. Subquadro e carenagens são de fibra de carbono, enquanto o escapamento integral é de titânio.

As suspensões são Öhlins de alta performance, os freios Brembo e a corrente de transmissão herdada do Mundial de Superbike. Com foco no circuito, a marca disponibiliza o chamado “kit de corrida”, que faz a moto ganhar os 5 cv de potência e perder 2,1 kg. O pacote inclui escape de titânio da Akrapovic, bolha alta de competição, capas usinadas para os retrovisores e kits de remoção do suporte da placa e apoio lateral.

Honda apresenta nova geração da Hornet, agora com motor de 650 cc

Motor é maior, porém menos potente que o da geração anterior.
Marca antecipou lançamentos do Salão de Milão, que começa nesta terça.

Rafael MiottoDo G1, em Milão (Itália)

Comente agora
Honda Hornet (Foto: Rafael Miotto/G1)Honda Hornet (Foto: Rafael Miotto/G1)

A Honda antecipou nesta segunda-feira (4) os lançamentos para o Salão de Milão, que é o principal evento do setor no ano. Entre as novidades, a empresa revelou a nova geração da Hornet, líder do segmento naked (moto sem carenagem) no Brasil. Além de visual totalmente repaginado, o modelo ganhou motor maior, passando de 600 cc para 650cc.

De acordo com a empresa, a nova motorização rende 87 cavalos de potência. De acordo com a Honda, o objetivo foi dar mais força ao modelo em médios e baixos giros. Desse modo, a potência da moto é menor que na antecessora, que tinha 102 cavalos.

No total, foram 13 novidades para o mercado europeu, entre atualizações e modelo totalmente novos. A marca também apresentou a CBR 300R, CTX 1300 e evolui a CBR 650F. A linha NC 700 também evoluiu, ganhando motor de 750cc.

Honda Hornet (Foto: Rafael Miotto/G1)Honda Hornet (Foto: Rafael Miotto/G1)

Smart apresenta sua versão de picape ‘mini’ no Salão de Detroit

‘For us’ tem motor elétrico e espaço para duas bicicletas na caçamba.
Conceito é um dos destaques do Salão de Detroit.

 

Do G1, em São Paulo

 
3 comentários
smart picape for us (Foto: Carlos Osorio/AP)A Smart apresentou nesta segunda-feira (10), no Salão de Detroit, a picape For Us, versão ‘engordada’ do Fortwo capaz de carregar duas bicicletas na caçamba (Foto: Carlos Osorio/AP)

 

smart picape for us (Foto: Rebecca Cook/Reuters)A picape ainda é um conceito da marca famosa pelos minicarros, com 3,54 m de comprimento e 1,5 m de largura e 1,7 m de altura. O motor é elétrico, com 74 cavalos de potência; a velocidade máxima, segundo a fabricante, é de 120 km/h (Foto: Rebecca Cook/Reuters)

 

smart picape for us (Foto: Divulgação)CEO da Smart, Annete Winkler explica que o carro foi pensado para transportar as bicicletas elétricas feitas pela própria montadora (Foto: Divulgação)

.

09/01/2012 10h34 – Atualizado em 10/01/2012 18h36

Ford Fusion chegará ao Brasil com motor EcoBoost 2.0

Versão híbrida ‘tradicional’ também está prevista para o mercado brasileiro.
Carro estreia no mercado brasileiro no segundo semestre deste ano.

Rodrigo MoraDo G1, em Detroit (EUA) – o jornalista viajou a convite da Anfavea

38 comentários

A Ford confirmou nesta segunda-feira (9) a nova geração do sedã Ford Fusion para o Brasil com motor EcoBoost 2.0 a gasolina, que segue a tendência de blocos menores, porém mais potentes. O motor permite redução do consumo de combustível entre 10% e 20%, sem comprometimento de sua performance. A versão híbrida do modelo também está prevista para o mercado brasileiro, mas a “plug in”, não. De acordo com a Ford, o sedã, fabricado no México, estreia no mercado brasileiro no segundo semestre deste ano.

O carro foi apresentado nesta segunda, na abertura do Salão de Detroit 2012, restrita a jornalistas. A Fordx já havia revelado um dia antes as imagens da nova geração.

ford fusion salão de detroit (Foto: /Mike Cassese/Reuters)Ford apresenta o novo Fusion nesta segunda (10), no Salão de Detroit (Foto: /Mike Cassese/Reuters)

Segundo a montadora norte-americana, o novoFusion é o primeiro sedã a ter versões com motor a gasolina, híbrido (combinação de motor a combustão e elétrico) e plug-in (híbrido cuja bateria pode ser carregada na tomada). As duas primeiras já eram oferecidas.

O Fusion incorpora o modelo “One Ford”, que será a base dos próximos lançamentos globais da marca, entre compactos e médios, e que foi visto no protótipo Evos, exibido no Salão de Frankfurt, em setembro passado.

Ford Fusion chega ao Brasil no segundo semestre (Foto: Rodrigo Mora/G1)Ford Fusion chega ao Brasil no segundo semestre (Foto: Rodrigo Mora/G1)

Para o mercado norte-americano, a Ford reserva ainda a versão 1.6 do motor EcoBoost, com consumo, em média, de 11 km/l na cidade e 15,7 km/l na estrada; no Fusion 2012 esses números ficaram em 9,7 km/l e 14,4 km/l. O carro também será oferecido nos Estados Unidos com motores 2.0 e 2.5.

ford fusion salão de detroit (Foto: Carlos Osorio/AP)Sedã chegará ao Brasil no segundo semestre deste ano (Foto: Carlos Osorio/AP)

Na versão híbrida, o Fusion conta com nova bateria de íon-lítio no lugar da bateria de níquel metal, o que, segundo a Ford, permitiu economizar no peso e aumentar a potência. Com ela, o sedã chega a 99 km/h com motor elétrico, ante aos 75,6 km/h da versão anterior. Ele é combinado com um bloco 2.0 a gasolina que promete a mesma potência do 2.5 que equipava o Fusion híbrido até então. Juntos, permitem que o consumo do sedã diminua para 19,9 km/l na cidade e 18,7 km/l na estrada, contra 17,4 km/l e 15,3 km/l na geração anterior.

Interior do Fusion 2013 (Foto: Divulgação)Interior do Fusion 2013 (Foto: Divulgação)

Com a nova versão plug-in, a montadora também promete consumo menor do que o de concorrentes como o Chervolet Volt e o Toyota Prius.

Sedã será oferecido em versões a gasolina, híbrido e plug-in (Foto: Divulgação)Sedã será oferecido em versões a gasolina, híbrido e plug-in (Foto: Divulgação)

Veja o antes e o depois das mudanças para o Ford Fusion 2013

Ford Fusion antes das mudanças (Foto: Divulgação)Ford Fusion antes das mudanças (Foto: Divulgação)
Ford Fusion 2013 (Foto: Divulgação)Ford Fusion 2013 (Foto: Divulgação)
tópicos:

13/02/2012 14h35 – Atualizado em 13/02/2012 14h35

Novo Ford B-Max terá sistema inédito de abertura de portas

Carro não tem colunas centrais, mas portas são reforçadas para segurança.
Modelo estreia no Salão de Genebra e promete soluções urbanas.

Do G1, em São Paulo

3 comentários

Ford acaba de apresentar o sistema de porta única que será lançado juntamente com o o novo B-Max. Ele traz mais facilidade de acesso ao interior do carro. A solução da montadora foi tirar as colunas centrais do carro e reforçar as portas para criar 1,5 m de espaço em cada lado de uma forma segura para os ocupantes. O novo Ford B-Max vai estrear em no Salão de Genebra no próximo mês e será vendido na Europa no final do ano.

Assim, a Ford conseguiu a maior abertura de porta da categoria, já que o Opel Meriva oferece 0,7 m a menos com sua porta articulada. “Nos propusemos o desafio de re-imaginar o carro pequeno”, disse o diretor de design da Ford Europa, Stefan Lamm. “As pessoas estão lutando com os desafios espaciais de dirigir na cidade e nós queremos encontrar uma nova solução para elas”, acrescentou.

Ford B-Max será lançado na Europa no fim deste ano (Foto: Divulgação)Ford B-Max será lançado na Europa no fim deste ano (Foto: Divulgação)

Ao desenvolver o conceito, uma equipe passou vários dias observando motoristas em rotinas diárias para entender exatamente o que os clientes realmente queriam em um carro compacto.

Engenheiros da Ford, em seguida, assumiram o desafio de produzir um veículo seguro e prático que atendesse a essas necessidades. Aços especiais de alta resistência foram usados na lateral do veículo para garantir proteção cinco vezes maior do que o aço convencional. Isso possibilitou a criar uma estrutura extremamente forte, sem adicionar peso extra.

O processo envolveu testes intensos e análise em cada etapa. Mais de 1 mil simulações de computador detalhadas foram realizadas ao longo de três anos para otimizar o desempenho de colisão lateral impacto. De acordo com a Ford, cada simulação levou 24 horas e usou um computador com poder equivalente de oito PCs mais potentes do mercado. Estas simulações foram, então, testadas no mundo real através de outros 50 acidentes de impacto colaterais.

O interior B-MAX foi elaborado para tirar o máximo proveito do novo sistema de portas. Os assentos traseiros e o assento do passageiro podem ser dobrados para criar uma grande plataforma de carga, conveniente para acomodar desde bicicletas a objetos planos. A minivan terá capacidade para abrigar cinco passageiros.

Ford B-Max (Foto: Divulgação)Ford B-Max (Foto: Divulgação)

“O conceito de porta significa que você pode carregar itens realmente grandes, com mais de 2,3 metros de comprimento, através das portas laterais”, afirma Ernst Reim, Designer Chefe de Interiores da Ford Europa. “Isso torna mais ‘realista’ uma visita a uma loja de móveis ou mesmo um dia na praia com sua prancha.”

Motor 1.0
O B-MAX é alimentado por um novo motor 1.0 de três cilindros, que usa tecnologia EcoBoost, e está equipado com o sistema start-stop. O propulsor tem turbocompressor e injeção direta de combustível, para reduzir o consumo de combustível e emissões de CO2. Segundo a Ford, esse motor é ajustado para substituir os convencionais de quatro cilindros. A tecnologia foi apresentada no Salão de Frankfurt, no ano passado.

O Ford B-Max será a menor oferta na gama europeia da Ford de minivans, que inclui o C-Max, Grand C-Max, S-Max e Galaxy.

tópicos:

29/03/2012 14h12 – Atualizado em 29/03/2012 14h12

Ford se antecipa ao Salão de NY e mostra o novo Explorer Sport

Versão conta com tração 4×4 e motor V6 de 362 cavalos.
Ela será lançada no mercado americano ainda neste ano.

Do G1, em São Paulo

5 comentários

Ford se antecipou ao Salão de Nova York, que começa no próximo dia 6, e apresentou o Explorer Sport 2013, primeira versão de performance do utilitário esportivo mais famoso da marca. A nova versão do Explorer, que será lançada este ano no mercado norte-americano.

ford explorer sport 2013 (Foto: Divulgação)

Ford Explorer Sport 2013 será apresentado oficialmente no Salão de NY, em abril (Foto: Divulgação)

O carro conta agora com motor a gasolina V6 EcoBoost, de 362 cavalos, com consumo na faixa de 6,8 km/l na cidade e 9,3 km/l na estrada, segundo a montadora. A versão Sport tem tração 4×4 gerenciada eletronicamente e transmissão automática de seis velocidades. O chassi foi reforçado, a direção elétrica incorpora uma relação especial e os freios foram redimensionados, além “de contar com gerenciamento de tração para enfrentar diferentes tipos de terreno, como areia, neve, lama e ladeiras”, descreve a Ford.

ford explorer sport 2013 (Foto: Divulgação)Utilitário ganhou rack, faróis escurecidos e rodas de 20 polegadas (Foto: Divulgação)

Como diferencial no visual, o modelo tem rodas de 20 polegadas, lanternas e faróis escurecidos, rack e capas dos retrovisores em preto e grade do radiador cinza, com barras contrastantes em preto brilhante. O interior, diz a montadora, foi inspirado em acessórios de couro de grifes como Balenciaga e Prada. Os bancos e a direção são revestidos em couro.

ford explorer sport 2013 (Foto: Divulgação)Carro tem lista de equipamentos luxuosa com bancos aquecidos em couro, ajuste elétrico em 10 direções para o banco do motorista, sistema multimídia e pedais ajustáveis com memória (Foto: Divulgação)

O utilitário conta ainda com ar-condicionado automático com dupla zona, ajuste elétrico do banco do motorista em 10 direções, bancos dianteiros aquecidos, bússola e indicador de temperatura no painel, câmera de visão traseira, sistema SYNC com MyFord Touch para conectividade com celular, navegação e equipamentos de entretenimento. É equipado ainda com assistência de estacionamento, sistema de detecção de pontos cegos com alerta de tráfego cruzado, cintos traseiros infláveis, partida sem chave, pedais ajustáveis com memória, teto solar duplo e acessórios para trailler. O preço não foi divulgado.

ford explorer sport 2013 (Foto: Divulgação)Versão teve chassi reforçado e freios redimencionados (Foto: Divulgação)